Apagão atinge cidades do Nordeste

Friday, February 4th, 2011 | Notícias | 3 Comentários

Um apagão atinge todo o Nordeste na noite desta quinta-feira (03). Nas redes sociais, internautas já postam fotos da escuridão em Salvador, Recife, Maceió, João Pessoa, Fortaleza, Teresina, Natal e São Luís. Não existe informação oficial sobre a queda de energia.

Segundo alguns usuários do Twitter, o motico da queda de energia seria um incêndio de grande proporções nas torres da CHESF, no Tocantis. Mais informações a qualquer momento.

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Cervejaria Devassa leva você ao cinema

Monday, August 23rd, 2010 | Promoção | 2 Comentários

CervejariaDevassa

Que tal ao ir ao cinema ver o filme 400 Contra 1 - Uma História do Crime Organizado sem pagar nada por conta da Cervejaria Devassa? O Portal de Cinema, em parceria com a Cervejaria Devassa, está sortenando 4 pares de ingresso para o filme.

Para ganhar é simples. Basta deixar um comentário nesse post, neste do Portal de Cinema News ou neste do blog do Controle Remoto. Quer uma segunda chance? Ok. Basta dar RT nesta mensagem via Twitter:

Ei @wikersonlandim quero ver 400 Contra 1 no cinema com ingressos do Portal de Cinema e @bardevassa

Atenção a promoção é limitada: os vencedores deverão retirar os ingressos em uma das unidades da Devassa nas seguintes unidades - Centro do Rio, Botafogo, Flamengo, Ipanema, Copacabana, Leblon, Macaé, Tijuca, Recreio, Barra, Goiânia, Campinas ou Belo Horizonte.

Gostou? Então mãos a obra e boa sorte!

Tags: , , ,

Crítica de Salt

Monday, August 2nd, 2010 | Crítica | Sem comentários ainda

Existe uma regra no mundo do cinema no que diz respeito a construção de roteiros que afirma o seguinte: se determinada cena não introduz novos elementos na história, não faz com que ela vá adiante e a falta dela não é sentida no filme, então ela deve ser cortada na edição.

Parece um exercício simples e óbvio se analisarmos qualquer filme plano a plano, certo? O que dizer então de uma produção que tem a sua premissa principal construída sobre uma sequência descartável do ponto de vista da trama?

Leia o texto completo e confira a ficha técnica e o trailer de Salt

Tags: , , , ,

Crítica de Predadores

Friday, July 23rd, 2010 | Crítica | Sem comentários ainda

Nascida no final da década de 80, Predador se tornou uma das franquias mais icônicas do período, em especial por reunir fãs de ficção cientifica, terror e suspense sob uma premissa criativa e, até então, não muito utilizada nos cinemas. Estrelada por nomes como Arnold Schwarzenegger e Danny Glover, mesmo longe das telas o alienígena manteve um grupo fiel de fãs, ampliados por games, quadrinhos e outros produtos.

Leia o texto completo e confira a ficha técnica e o trailer de Predadores

Tags: , , ,

SOS Cast 17 - Entrevista: André Vianco

Wednesday, July 21st, 2010 | Podcast | Sem comentários ainda

post-soscast-17-v1

Completando a dobradinha iniciada com o SOS Cast 16, André Vianco retorna ao programa para ser entrevistado por Fábio M. Barreto e Wikerson Landim Conheça a carreira, o processo criativo, as novidades sobre a série de TV e o que o futuro reserva para o best seller brasileiro de literatura vampírica. É material para fã nenhum botar defeito!

Se você ainda não ouviu a primeira parte, clique aqui e escute o debate sobre o gênero vampiresco na edição passada. Conheça também a obra completa de André Vianco.

Para ouvir basta acessar o página do SOS Hollywood e utilizar o player. Se preferir pode fazer o download do programa, no formato MP3, para ouvir onde quiser.

Tags: , , , ,

SOS Cast 16 - Histórias de Vampiros

Tuesday, June 29th, 2010 | Podcast | Sem comentários ainda

SOS Cast 16

Vampiros são misteriosos, atraem a atenção de homens e mulheres há séculos e, mesmo sem existir [será?] se mostram cada vez mais fundamentais para o entretenimento mundial. Com a estréia da nova temporada de True Blood, hoje na HBO Brasil, o SOS Cast convidou o maior escritor brasileiro do gênero para debater o assunto.

André Vianco, autor de Os Sete, Bento, Turno da Noite e tantos outros é o convidado especial nesse programa histórico. True Blood, Crepúsculo, Nosferatu, Don Drácula, Buffy – A Caça-Vampiros, Angel e tantos outros títulos desse gênero fizeram parte do bate-papo. Quem também faz uma pequena participação especial é Alan Ball, criador de True Blood.

Essa é a primeira parte de uma dobradinha que continua na próxima semana, com uma entrevista exclusiva feita por Fábio M. Barreto e Wikerson Landim, na qual Vianco conta alguns segredos do futuro de sua obra! Agradecimento especial à Revista Sci-Fi News, que contribuiu imensamente para a realização desse especial.

Para ouvir basta acessar o página do SOS Hollywood e utilizar o player. Se preferir pode fazer o download do programa, no formato MP3, para ouvir onde quiser.

Tags: , , , ,

Trailer Harry Potter e as Relíquias da Morte

Sunday, June 6th, 2010 | Trailer | 1 Comentário

Acaba de ser divulgado, durante o MTV Movie Awards, o trailer de Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1. O filme estreia nos cinemas em 19 de novembro.

Tags: , , ,

SOS Cast 15 - Uma Década de Animação

Friday, June 4th, 2010 | Podcast | Sem comentários ainda

post-soscast-15-v7

Poucos gêneros passaram por tantas transformações na última década como a animação. De subgênero infantil ao status de arte e blockbuster, o cinema de animação nos brindou com obras como Wall-E, Up- Altas Aventuras e Ratatouille.

Nesta edição do SOS Cast falamos sobre este e outros filmes da Pixar e da Walt Disney, traçamos uma panorama do que de melhor o gênero animação produziu na última década e quais as perspectivas para o futuro com a adoção do formato 3D.

Participam do SOS Cast 15 Fabio Barreto, do SOS Hollywood e Wikerson Landim, do Portal de Cinema.

Para ouvir basta acessar o página do SOS Hollywood e utilizar o player. Se preferir pode fazer o download do programa, no formato MP3, para ouvir onde quiser.

Tags: , , , , ,

Sobre ilhas e vampiros

Tuesday, May 25th, 2010 | Opinião | 2 Comentários

Vídeo 1: reação de fãs ao verem pela primeira vez o trailer de Lua Nova

Vídeo 2: reação de Maurício Saldanha, editor do site Cabine Celular, ao término do episódio final de Lost

Trabalho com comunicação há pelo menos uma década. Nesse período, li incontáveis livros e vi tantos filmes dos quais certamente não me lembro mais. Porém, poucos assuntos me chamaram tanto a atenção como o cinema. A maneira como, quando uma luz se apaga e um projetor se acende, um ser humano é capaz de ser transformado sempre foi algo que me intrigou.

Quando mais novo, entre todas as produções que estrearam no cinema, poucas tiveram tanto impacto sobre mim quanto Matrix. Tornei-me fã do primeiro filme a ponto de revê-lo dezenas de vezes e decorar diálogos e cenas inteiras. Porém, ainda assim, em momento algum tive um comportamento similar ao apresentando em um desses dois vídeos acima.

Não estou julgando os comportamentos. Se eles são certos ou errados não me importam. Apenas relato que nunca experimentei sensação de igual catarse. Já ri muito e já chorei copiosamente em finais de filmes com os quais me identifiquei muito, por razões pessoais mais do que artísticas. Um Sonho de Liberdade é um grande exemplo. Mas, ainda assim, lembro que reagi de maneira muito mais racional ao resultado do que passional ou emocional.

Voltando aos vídeos acima. Lembro que quando o primeiro deles caiu no YouTube foi motivo de chacota por parte de muitos. Como seria possível que as meninas chorassem tanto e tivessem orgasmos ao ver Robert Pattinson ou Taylor Lautner? Reações ridículas, imaturas e passionais? Talvez. Porém, sinceras.

Ao ver o vídeo de Maurício Saldanha, editor do Cabine Celular, emocionado e emocionando com sua reação diante do episódio final de Lost, imediatamente me lembrei das fãs de Crepúsculo. E não estou com isso colocando as produções lado a lado em termos de qualidade nem dizendo que uma é melhor do que outra. Refiro-me apenas as reações.

Se por um lado a histeria das adolescentes de Lua Nova eram motivos de riso e chacota para uns, para as mesmas pessoas as lágrimas de Maurício Saldanha representavam uma expressão sublime de como foi conviver com grandes amigos ao longo de seis anos e que, de agora em diante, não mais farão parte do seu dia a dia. Ambas as reações são sinceras. Mas por que uma é mais respeitada do que a outra? Basta olhar nos comentários de cada um dos vídeos para perceber o quão díspares são as visões do público.

Pergunto: o que faz o choro de Maurício Saldanha mais justificado do que o choro das adolescentes de Crepúsculo? Por que o comportamento delas é ridículo e o dele é compreensível? O que faz com que duas obras tão distintas entre si possam provocar em públicos distintos exatamente a mesma reação? Não deveriam ambos ser respeitados por igual?

A primeira palavra que me vem à mente é identificação. Emociono-me com aquilo com que me identifico e reprimo aquilo que me parece estranho. Chorar no final de Lost, dentro do meu círculo de amizades, é algo perfeitamente compreensível. Chorar ao ver um trailer de Eclipse, dentro do meu círculo de amizades, é algo repulsivo. Da mesma forma, posso supor que dentro do círculo de amizades das jovens fãs de Crepúsculo, não se sensibilizar com a reação dos colegas ao ver um filme da saga também possa soar como algo anormal.

Em qual dos dois perfis você se encaixa? Pouco me importa. Mas lhe asseguro que qualquer que seja a sua escolha, ambos os caminhos emotivos são honestos. E isso eu respeito. Respeito àquele que consegue com uma obra audiovisual olhar para o outro e compreendê-lo. Respeito àquele que consegue tomar para si as dores de outro e com elas, ou a partir delas, aprende e ensina.

“Posso não concordar com uma só palavra do que dizes, mas respeito até a morte o seu direito de dizê-las”, escreveu Voltaire. Sempre fui mais racional do que emotivo e não considero isso um defeito ou uma virtude, mas apenas uma característica. Da mesma forma como o estado de êxtase, a partir da lógica, da identificação ou da paixão, também são meras características. São certas? São erradas? Não tenho o direito de julgar. E, se me permite, nem você.

Gostar e defender o seu ponto de vista, com argumentos ou com paixão, e tentar mostrar aos outros um pouco da sua visão de mundo é algo saudável e fundamental para o desenvolvimento de cada um. Rejeitar, execrar e humilhar aquele que diverge do seu ponto de vista em prol dos seus ideais é fanatismo. E, me perdoem os fanboys, argumento algum justifica o comportamento de um fanático por qualquer coisa que seja.

Será que as minhas críticas sobre filmes não me tornam uma pessoa ridícula e frustrada para muitos? Possivelmente. Mas será que o seu comportamento hostil diante do meu trabalho, das reações dos fãs de Lua Nova ou dos fãs de Lost não o tornam, da mesma maneira, ridículo para muitos? Não tenha dúvidas que sim. Como dizia aquela canção? “I started a joke, but the joke was on me (3). E não estou falando apenas de cinema ou TV. Isso vale para a política, para a religião… Mas daí já é tema para outra discussão.

E você o que pensa disso tudo?

Observação 1: não estou julgando o comportamento bem como o trabalho do Maurício Saldanha no Cabine Celular. Muito pelo contrário. Embora não concorde com algumas opiniões dele no que diz respeito aos comentários que faz, admiro a coragem de alguém que coloca o rosto à tapa para, seja falando bem ou mal sobre uma produção, expressar da maneira mais sincera possível sua opinião sobre um assunto. Dessa forma, esta não é uma crítica ao seu trabalho e não vou entrar no mérito de suas opiniões. Refiro-me aqui, única e exclusivamente, à sua reação diante do episódio final de Lost.

Observação 2: não sou nenhum fã de Stephenie Meyer, pelo contrário. Não gostei de nenhum dos dois filmes e não vou ser hipócrita de dizer que nunca fiz piada a respeito da qualidade dos mesmos. No entanto, é inegável a influência que os fãs da série têm hoje nos meios de comunicação, em especial no mundo do entretenimento. No Portal de Cinema, site que edito, é expressiva a quantidade de acessos bem como a repercussão em função de assuntos relacionados ao universo de Crepúsculo. Desta forma, também, não é intenção deste post julgar a qualidade destes trabalhos e, sim, única e exclusivamente analisar a reação de duas fãs diante da exibição do primeiro trailer do filme.

Observação 3: trecho da música “I Started a Joke“, do Bee Gees. Tradução direta: Eu comecei uma piada, mas não vi que era sobre mim.

Observação 4: o segundo vídeo foi originalmente publicado no site Cabine Celular. Para comentá-lo e visualizá-lo na página original clique aqui.

Tags: , , , , ,

SOS Cast 14 - iPad e o Entretenimento

Tuesday, May 4th, 2010 | Podcast | Sem comentários ainda

iPad. Poucas vezes a indústria tecnológica esteve tão em polvorosa quanto no lançamento do mais novo produto de Steve Jobs. Junto com ele diversas possibilidades se abrem, não só para os usuários, mas também para o mundo do entretenimento.

Games, livros, filmes e tudo mais que compõe a indústria do entretenimento estão prestes a mudar? Será o iPad um aparelho realmente revolucionário capaz de tantas transformações? Nesta edição do SOS Cast debatemos sobre o tema “iPad e o entretenimento“.

Participam do SOS Cast 14 Fabio Barreto, do SOS Hollywood, Wikerson Landim, do Portal de Cinema, Nick Ellis, do Digital Drops, e Leonardo Paiva, do Ock Tock.

Para ouvir basta acessar o página do SOS Hollywood e utilizar o player. Se preferir pode fazer o download do programa, no formato MP3, para ouvir onde quiser.

Tags: , , , ,