Portal de cinema

 
Filmes iniciados por:
# A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
 
::.. AVATAR ..::
::.. Sinopse ..::
Jake, um veterano de guerra paraplégico, é levado em uma missão à Pandora, um planeta habitado pelos Navi, uma raça humanóide que possui cultura e idioma próprios. O encontro com esses seres muda a vida dele para sempre.
::.. Ficha Técnica ..::
Título Original: Avatar.
Origem:
Estados Unidos, 2009.
Direção:
James Cameron.
Roteiro:
James Cameron.
Produção:
James Cameron e Jon Landau.
Fotografia:
Mauro Fiore e Vince Pace.
Edição:
John Refoua e Stephen E. Rivkin.
Música:
James Horner.
::.. Elenco ..::
Sam Worthington, Zoe Saldana, Sigourney Weaver, Stephen Lang, Michelle Rodriguez, Giovanni Ribisi, Joel Moore, CCH Pounder, Wes Studi, Laz Alonso, Dileep Rao, Matt Gerald, Sean Anthony Moran, Jason Whyte, Scott Lawrence, James Pitt, Sean Patrick Murphy, Peter Dillon, Kevin Dorman, Kelson Henderson, David Van Horn, Jacob Tomuri, Michael Blain-Rozgay, Jon Curry, Julene Renee, Luke Hawker, Woody Schultz, Peter Mensah e Ilram Choi.
::.. Site Oficial ..::
http://www.avatarmovie.com/
::.. Premiações ..::
Oscar de Melhor Direção de Arte.
Oscar
de Melhor Fotografia.
Oscar
de Melhores Efeitos Especiais.

Globo de Ouro
de Melhor Filme - Drama.
Globo de Ouro de Melhor Diretor.

BAFTA de Melhor Design de Produção.
BAFTA de Melhores Efeitos Especiais.

Indicado ao Oscar de Melhor Filme.
Indicado ao Oscar de Melhor Diretor.

Indicado ao Oscar de Melhor Edição.
Indicado ao Oscar de Melhor Trilha Sonora.
Indicado ao Oscar de Melhor Som.
Indicado ao Oscar de Melhor Edição de Som.
Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Trilha Sonora.
Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Canção Original - "I Will See You".

Indicado ao BAFTA de Melhor Filme.
Indicado ao BAFTA de Melhor Diretor.
Indicado ao BAFTA de Melhor Fotografia.
Indicado ao BAFTA de Melhor Edição.
Indicado ao BAFTA de Melhor Trilha Sonora.
Indicado ao BAFTA de Melhor Som.
::.. Saiba mais ..::
Confira um especial do Portal de Cinema sobre o filme Avatar.
Confira um especial do Baixaki sobre as novas tecnologias do filme Avatar.
::.. Trailer ..::
::.. Crítica ..::

“A verdadeira viagem da descoberta não consiste em procurar novas paisagens, mas em ter novos olhos”. A frase é do escritor francês Marcel Proust, mas bem que poderia ser da Dr. Grace Augustine, personagem interpretada por Sigourney Weaver em Avatar. A aventura idealizada por James Cameron que levou nada menos de doze anos para sair do papel e se transformar em realidade surge não apenas como um marco tecnológico na história do cinema, mas conquista o seu espaço entre as grandes produções deste novo século.

Cameron era um simples motorista de caminhão quando na década de 70 um sonho ousado de outro visionário mudou a sua trajetória para sempre. Ao entrar num cinema e assistir Star Wars: Episódio 4 – Uma Nova Esperança decidiu que a ficção científica e aqueles mundos imaginários fariam parte de sua vida. Dali em diante, a admiração virou obsessão e o cinema transformou-se na ferramenta para dar vida a sucessos como Aliens – O Resgate, O Exterminador do Futuro, O Exterminador do Futuro 2 – O Julgamento Final, O Segredo do Abismo, True Lies e a maior bilheteria da história do cinema – Titanic.

Com um currículo como esse o diretor bem que poderia se aposentar tendo a certeza de que seu nome estaria inscrito para sempre na história do cinema. No entanto, Cameron optou pelo caminho menos óbvio e mais ousado: decidiu reescrever essa história e apontar o caminho para o que virá na próxima década. Assim nasceu o mundo de Avatar, uma produção tão grandiosa quanto o seu astronômico orçamento que, segundo especulações, pode ter chegado à marca de US$ 400 milhões.

Nada disso faria sentido se Avatar fosse apenas um show pirotécnico de efeitos especiais com uma história vazia e sem conteúdo. Por mais que o currículo de Cameron apontasse para mais uma produção de qualidade – afinal regularidade é uma das marcas de sua carreira – muitos torceram o nariz e imaginaram que a nova produção seria apenas um palco para uma exibição de imagens computadorizadas de alta qualidade projetadas a esmo em três dimensões numa tela gigantesca.

Como aquele sonho mais desejado, Avatar representa a realização máxima do diretor. Aos 55 anos, Cameron pode comemorar o resultado de sua obsessão pela invenção de novas tecnologias que tornassem possível as filmagens à maneira como idealizou. E pode se consagrar não só como o rei do cinema desta década, mas como Deus do seu próprio mundo, o planeta Pandora onde toda a ação do filme se desenvolve.

Em Avatar acompanhamos a trajetória de Jake Sully (Sam Worthington), um cabo do exército portador de deficiência motora, que com a morte do irmão é convidado a assumir o seu lugar em uma missão de exploração no planeta Pandora. Com uma atmosfera hostil à respiração do ser humano, para que seja possível locomover-se nesse ambiente os humanos criam os avatares, um híbrido de terráqueos com na’vis – os habitantes do planeta – controlados por projeção de consciência. Com uma vida dupla, Jake ganha a missão de se infiltrar aos na’vis e aprender a sua cultura de forma a dar informações ao exército para que possa explorar um rico minério localizado em uma área sagrada para esta população.

Sua incursão em meio aos nativos acaba se transformando em uma jornada de redenção. A simplicidade da história é apenas um tímido alicerce para dar vazão a algumas metáforas e ideais do diretor. Se por um lado a invasão do planeta se assemelha a colonização do Oeste americano, ou mesmo da nossa América, com a apropriação indevida de território e o massacre cultural ocorrido com os indígenas séculos atrás, da mesma forma a forma como os na’vis vêem e interagem com a natureza levanta uma séria mensagem de reflexão acerca do que nós mesmos estamos fazendo com o nosso planeta, sem nos darmos conta de onde estão as nossas próprias riquezas.

Ironicamente a imersão na história que a produção de Cameron nos proporciona faz com que nós, humanos, vejamos o mundo pelos olhos dos nativos. E é olhando “de fora” o problema, ou do ponto de vista deles, que percebemos os nossos próprios erros de conduta e a maneira obsessiva e doentia de dar continuidade a uma exploração desenfreada dos nossos próprios recursos naturais. É como se estivéssemos vivenciando de maneira mais intensa um filme como A Missão, onde o choque cultural e os valores díspares ficam tão evidentes e nos colocam envergonhados diante do que valorizamos.

De maneira inteligente, Avatar cria um mundo de Pandora com beleza exuberante. Pandora é uma floresta biofluorescente, com plantas multicoloridas com brilho de néon e um aspecto que, além de saltar aos olhos, parece exalar vida a cada quadro. Tal qual a riqueza da nossa floresta isso é colocado em segundo plano diante da possibilidade de riquezas fáceis vislumbrada pelos seres humanos.

Com elementos de computação gráfica capazes de colocar qualquer outra grande produção de joelhos perante o seu reinado, Avatar apresenta personagens em CGI extremamente bem concebidos e verossímeis. Não fosse dessa maneira, seria doloroso e forçado fazer com que o espectador se colocasse ao lado do povo Na’vi. Porém, ao contrário, a experiência é saborosa de tal forma que, mesmo após a projeção, torna-se quase que irresistível a vontade de voltar para aquele mundo onde tudo parece perfeito e harmônico.

Com uma projeção de pouco mais de duas horas e meia em momento algum, mesmo no início onde a história se desenvolve em um ritmo menos acelerado, Avatar se torna cansativo, monótono ou recai em elementos redundantes. A história apresenta arcos narrativos muito bem definidos e segue uma linearidade acessível ao grande público e satisfatória para os mais exigentes, culminando com uma cena de batalha nos trinta minutos finais de deixar qualquer um simplesmente sem fôlego.

Aliás, esta última meia hora é memorável não só imageticamente como de maneira simbólica. A destruição do principal e mais imponente patrimônio Na’vi com um bombardeio justificado pela premissa obtusa de que “o terror deve ser combatido com o terror” serve não somente como uma crítica a política belicista adotada de longa data pelo governo norte-americano como também nos remete ao fatídico 11 de setembro, com a queda do World Trade Center num atentado em Nova York.

À sua maneira Cameron reúne em Avatar um apanhado de elementos que já foram abordados isoladamente em diversas outras produções e reúne-os em uma perfeita alegoria de transformação do ser humano graças ao resgate de suas origens e a contemplação de sua essência. Chega a ser poético pensar que a revolução do cinema anunciada por Avatar, assim como o efeito 3D, esteja nos nossos próprios olhos. A resposta está na maneira como vemos o mundo – ou como poderíamos vê-lo se outras riquezas fúteis não insistissem em nos cegar.

Avatar conquista com méritos um lugar cativo na história do cinema como a melhor produção de 2009 e, sem sombra de dúvidas, um dos cinco mais importantes filmes dessa década. Valeu a pena esperar. Se James Cameron tinha em mente transformar Avatar em um sonho coletivo que pudesse ser sonhado com olhos bem abertos em uma sala escura de cinema seu objetivo foi alcançado. Assistir Avatar em três dimensões é uma experiência única e transformadora em que o espectador é presenteado com imagens que, dificilmente, sairão de sua mente por um bom tempo. Esperamos que a sua mensagem também não se perca. Simplesmente uma obra de arte memorável.

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Wikerson Landim - wikerson@portaldecinema.com.br
::.. Confira também ..::
avatar
Avatar
[DVD]
avatar
Avatar
[Blu-ray]
balde runner
Blade Runner
[DVD]

titanic
Titanic
[DVD]
::.. Comentários ..::

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Fui assistir hoje ao filme Avatar e realmente posso lhes assegurar que valhe à pena pagar mais caro e ter a experiência de assistir a esse filme com essa tecnologia e qualidade 3D. Para que você realmente curta esse filme, não espere que ele vá mudar a sua vida, ou que você saia de lá dizendo que foi o filme da sua vida, de forma alguma. A história é muito legal, mas o que deve ser observado é a qualidade dos efeitos empregados... temos a impressão de estar realmente participando dentro daquela cena... é quase que real... e não devemos achar que tudo foi obra do computador, não; existiram atores e atrizes renomados, que marcaram seus nomes nessa produção. E digo ainda, não misturem o sentimento da mensagem do filme com suas crenças ou ideais, muito menos os céticos com a tecnologia... curtam as imagens, o som e a mensagem... Bom filme pra todos !!
Rogério Nascimento

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Ta pra nascer um film como esse.
Alexandre

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

É um bom filme, com uma estória interessante. As imagens são realmente muito lindas e são o que mais chama a atenção. Não é um filme marcante, por isso nunca poderia expressar que está entre os 10 melhores que vi até hoje, mais vale a pena conferir.
C. A. Domingues

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Um filme maravilhoso, e que todos deveriam ver, o melhor de 2009.
Viviane Amaral

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Simplesmente o melhor filme dos últimos 10 anos. A história reflete exatamente o que nós, humanos estamos fazendo com nosso planeta. Pandora é o reflexo da Terra, James Cameron intensificou tudo aquilo que na verdade existe aqui, assim percebemos como nosso mundo é lindo, e a gravidade das nossas explorações, que por dinheiro nós matamos qualquer coisa.Os próprios nativos, são os reflexos dos nossos quase desaparecidos índios.Com certeza esse filme não vai só levar a concientização, mas também uma das maiores revoluções cinematográficas e tecnologicas.
Lyss Legieri

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Gostei muito do filme, principalmente no que fala sobre preservação e no contato/ligação que eles têm com os outros seres vivos do planeta. Muito interessante. Certamente teríamos o mesmo sentimento de preservação se tivéssemos uma ligação tão íntima com os outros seres.
Igor Bernardes da Silva

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Assisti e adorei o filme e digo que a partir de agora a industria cinematografica está dividida entre a.a. (antes de avatar) e d.a. (depois de avatar) muito lindo o filme.
Paulo Campos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Sem comparação.Um filme simples, com enrredo simples.E com efeitos que valem apena resaltar.Porém, muitos falam de seu roteiro, que não bem elaborado e tudo amis.Avata ré um filme simples, como disse.Nos faz relembrar a mágia do cinema.Avatar é o filme da década.É sem sombra de dúvidas o salvador da setima arte.
Sanderley Vitalino

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

O filme e muito bom, mas para ficar melhor ainda deve sair avatar 2 e assim por diante.
Doug

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Incrível, dou nota dez, foi descrito através do filme a realidade, um planeta maravilhoso que será destruído porque a ganancia do ser humano se vai sobrepor a sua preservação.
Rosamaria

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Assisti esse filme e quero saber mais que isso, eu quero saber tudo sebre ele, o filme é mais que tudo ele mecheu com minha vida e agora estou fasinado...um defeito do filme é so a história que é muito pouca mais as imagens são pefeitas e sou fãn de james cameron por ele ter criado um filme tão perfeito.
Eduardo de Carvalho Oliveira
::.. O que você achou deste filme? Comente! ..::
Nome:  
Sua nota:
Comentário: