Portal de cinema

 
Filmes iniciados por:
# A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
 
::.. ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS ..::
::.. Sinopse ..::
Ao seguir um coelho branco, uma garota chamada Alice cai em um buraco que a leva para o País das Maravilhas, um lugar povoado por seres mágicos e dominado pela Rainha de Copas.
::.. Ficha Técnica ..::
Título Original: Alice in Wonderland.
Origem:
Estados Unidos, 2010.
Direção:
Tim Burton.
Roteiro:
Linda Woolverton, baseado em livro de Lewis Carroll.
Produção:
Tim Burton, Joe Roth, Jennifer Todd, Suzanne Todd e Richar D. Zanuck.
Fotografia:
Dariusz Wolski.
Edição:
Chris Lebenzon.
Música:
Danny Elfman.
::.. Elenco ..::
Mia Wasikowska, Johnny Depp, Helena Bonham Carter, Crispin Glover, Anne Hathaway, Stephen Fry, Christopher Lee, Michael Sheen, Alan Rickman, Matt Lucas, Timothy Spall, Barbara Windsor, Amy Bailey, Leo Bill, Marton Csokas, Lucy Davenport, Frances de la Tour, Lindsay Duncan, Brooke Forbes, Eleanor Gecks, Michael Gough, John Hopkins, Geraldine James, David Knijnenburg, Jessica Oyelowo, Tim Pigott-Smith, Jemma Powell, Arick Salmea, Harry Taylor, Eleanor Tomlinson, Paul Whitehouse, Annalise Basso, Johann Benét, Michael Chomiak, Parker Contreras, Xavier Declie, Neil Dickson, Ian Duncan, Larry Eudene, Eric Feliciano, Greg Fellows, Brighid Fleming, Jessica Godber, Chris Grabher, Daniel Hepner, Dave Johnson, Vladimir Kubr, Lindsay Lane, Regan Licciardello, David Matthiessen, Matisse Mazur, Savannah McReynolds, Cortney Palm, Laurence Richardson, Thomas Robinson, Keith Roenke, Evan Lake Schelton, Gary Sievers, Jinny Lee Story, Nick Thomas-Webster e Austin James Wolff.
::.. Site Oficial ..::
http://disney.go.com/disneypictures/aliceinwonderland/
::.. Premiações ..::
Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Filme - Comédia ou Musical
Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Ator - Comédia ou Musical (Johnny Depp)
Indicado ao Globo de Ouro de Melhor Trilha Sonora
::.. Saiba mais ..::
O orçamento de Alice no País das Maravilhas foi de US$ 200 milhões e o filme arrecadou US$ 1.024 bilhões nas bilheterias.

Segunda adaptação do livro de Lewis Carroll para o cinema. A primeira foi a animação Alice no País das Maravilhas (1951).
::.. Trailer ..::
::.. Crítica ..::

É interessante notar o desenvolvimento de uma história ao longo dos anos no imaginário popular. Conheço muito poucas pessoas que leram os livros Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland) e Alice Através do Espelho (Through the Looking-Glass), lançados pelo escritor Lewis Carroll há mais de cento e quarenta anos. No entanto, graças a produção da Disney da década de 50, a obra - que já naquela época sofreu modificações - atravessou gerações e hoje é uma referência obrigatória, daquelas que mesmo sem ter visto o filme ou lido o livro já dá pra imaginar que tipo de história vem pela frente.

Aliado ao imaginário popular some-se dois nomes: Tim Burton e Johnny Depp. Responsáveis talvez por uma das maiores parcerias entre diretor-ator da história do cinema, são muitas as produções em que o visual gótico característico das obras do diretor em conjunto com o talento natural de Johhny Depp para interpretar personagens excêntricos extrapolaram os limites de um bom roteiro, deixando para o espectador não só fortes lembranças visuais como também personagens inesquecíveis - Edward Mãos de Tesoura (de Edward Mãos de Tesoura) e Willy Wonka (de A Fantástica Fabrica de Chocolates) só para citar alguns exemplos.

Sendo assim a expectativa criada em torno de Alice no País das Maravilhas - obviamente muito bem aproveitada pelo marketing da produção - foi imensa. Depois do sucesso de Avatar, praticamente criando uma nova linguagem para os efeitos em 3D, a expectativa recaiu toda sobre Tim Burton na esperança de que, de alguma forma, sua genialidade e ousadia fossem capazes de subverter o novo, trazendo o seu toque pessoal para a mais nova dimensão do cinema.

É inegável que o principal apelo ao espectador é o aspecto visual. Com cenários fabulosos construídos em computação gráfica, Burton cria um mundo onírico tão verossímil quanto possível, combinando um visual soturno de uma ameaça iminente com uma vegetação exuberante e multicolorida. Da mesma forma, os personagens que acompanham Alice durante a sua aventura pelo País das Maravilhas são construídos de maneira exemplar. Basta reparar na movimentação do Coelho Branco, por exemplo, e notar as texturas de pelagem para perceber o quanto o trabalho artístico foi desenvolvido com esmero.

Da mesma forma, os tons de vermelho do castelo da Rainha Vermelha em contraste com o branco quase absoluto dos domínios da Rainha Branca, não só transparecem a oposição de valores entre ambas - vaidade x pureza - como contam da forma visual mais didática possível parte importante da trama de Alice. Contudo, se nos aspectos de direção de arte e fotografia o filme não deixa em nada a desejar, infelizmente não se pode dizer o mesmo em outros quesitos.

Um dos aspectos onde menos se imaginavam problemas é onde reside talvez a maior das decepções de Alice no País das Maravilhas: as atuações. É bem verdade que usar a palavra “problema” é um termo forte demais. No entanto a sensação que se tem é que falta um pouco de vida a alguns dos personagens. E isso fica mais evidente quando olhamos para Alice (Mia Wasikowska). Sua atuação é apática e, nas cenas fora do País das Maravilhas, extremamente teatral. Seu rosto é inexpressivo na maioria dos momentos tanto que, quando há um ponto de virada e ela precisa renovar forças para ir à luta, a mudança é muito mais visível em seus companheiros do que nela mesma.

Já o Chapeleiro Maluco de Johnny Depp é discreto, mas eficiente. O ator fica longe de alguns exageros que já praticou na carreira e se mostra de maneira comedida na maior parte do tempo, se é que isso pode ser dito na interpretação de um personagem maluco, não comprometendo em nenhum momento. Assim, no papel da despótica Rainha Vermelha, Helena Bonham Carter acaba proporcionando alguns dos melhores momentos entre o elenco, compondo uma personagem vaidosa e ao mesmo tempo megera, sem perder a linha de atuação a que se propõe.

Como é natural, a empatia dos personagens mais “fofinhos” como o Coelho Branco, a Lebre de Março e o cão Bayard, apenas para citar alguns, é enorme e diante de atuações tão apagadas seu brilho parece ainda maior. Bayard, por exemplo, é responsável por um dos momentos mais comoventes da produção quando sai em busca ou reencontra a sua família.

A livre adaptação de Tim Burton, utilizando elementos de dois livros do escritor, em nada prejudica a essência da obra original. Com pouco menos de duas horas de duração, o roteiro não chega a ser um primor, mas é eficiente, apresentando e conduzindo a história de maneira satisfatória. Um ponto negativo, e bastante acentuado, é o desfecho que, além de ser extremamente teatral e soar forçado graças a atuação de Mia, é executado de uma maneira tão rápida que a impressão que fica é que houve um corte brusco ou que alguém queria se livrar de imediato do texto.

Para quem imaginava um verdadeiro show em imagens 3D o que se vê é um uso moderado do recurso, mas acertado e sempre em função da história. Isso é bastante perceptível na chegada de Alice ao País das Maravilhas. Repare na profundidade de campo da sequência e como de alguma forma o efeito parece colocar o espectador dentro daquele mundo, dando a impressão que Alice está vindo nos encontrar.

Talvez pela falsa expectativa criada em torno de Alice no País das Maravilhas, para muitos o filme possa não funcionar. Mas afirmar categoricamente que ele é ruim ou está entre os piores trabalhos de Tim Burton certamente é um exagero. Dentro da expectativa da maior parte do público, Alice deveria ser mais entretenimento e menos enigma. No entanto a proposta de Burton vai ao encontro da filosofia do autor, que também era matemático, e adorava essa linha de raciocínio.

Se por um lado Alice no País das Maravilhas de Tim Burton não consegue o perfeito equilíbrio entre reflexão e entretenimento, por outro revela no espectador uma curiosidade em conhecer um pouco mais daquele mundo. E o melhor de tudo é que para visitá-lo não é preciso comer nenhum tipo de cogumelo. Basta ir até a livraria mais próxima e conhecer uma das obras mais influentes e interessantes que a literatura já produziu.

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Wikerson Landim - wikerson@portaldecinema.com.br
::.. Confira também ..::
a bela adormecida + alice no páis das maravilhas
Bela Adormecida + Alice no País das Maravilhas [DVD]
as aventuras de mickey no país das maravilhas
As Aventuras de Mickey no País das Maravilhas [DVD]
alice no país das maravilhas
Alice no País das Maravilhas
[Blu-ray]

edward - mãos de tesoura
Edward - Mãos de Tesoura
[DVD]
::.. Comentários ..::

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Achei o filme em si o maximo, os efeitos especiais e as atuaçoes de Johnny Depp (Chapeleiro Maluco) e da Helena Bonham Carter (Rainha Vermelha) são espetaculares, porem Mia Wasikowska fez o papel de Alice de uma forma que a deixou sem sal, chata ... Anne Hathaway tambem nao teve uma de suas melhores atuaçoes como a Rainha Branca , me pareceu um pouco forçado a sua forma de atuaçao.
Philippe
::.. O que você achou deste filme? Comente! ..::
Nome:  
Sua nota:
Comentário: